Blog rbrito


Desculpas...

Olá,

Vocês, torcedores-internautas, sempre me apoiaram. O blog rbrito só é um sucesso por causa de vocês.

Não tenho clima para escrever, só digito estas palavras por causa de vocês. Serei breve!

Vou precisar ficar um tempo ausente. Peço desculpas e a compreensão de todos vocês!

Os posts "Faaala" e "Mau Humor FC" já estavam prontos, mas não estou legal! Deixo vocês por enquanto, mas espero voltar logo!
Mais uma vez, me desculpem! Mas preciso deste tempo!

Obrigado!

Rodolfo Brito – Mtb: 52.857
Blog: http://rbrito1984.zip.net
Twitter: www.twitter.com/rbrito1984 



 Escrito por rbrito às 04h58 [] [envie esta mensagem] []






Imperceptível!

O Espigão, pela primeira vez em sua história, foi campeão do Campeonato Rondoniense. Mas o Estadual de Rondônia foi uma decepção de público, como mostra o blog rbrito nesta sexta-feira. As médias de público pagante foram as mais baixas de TODOS os Estaduais já apresentados aqui no blog rbrito. Uma decepção total!

Mais no blog rbrito:
Ranking final de público pagante do Paraense ganhou outro foco do blog rbrito!


Pela primeira vez, o líder no ranking ficou com média abaixo de mil pagantes. Número pior que o líder da Segundona do Campeonato Paulista, quarta divisão do Estado de São Paulo. O Ariquemes conseguiu um total de 6.894 pagantes. Esta é a média do Atlético-GO, 21º colocado no ranking das Séries A e B do Campeonato Brasileiro.

A média do Ariquemes foi de apenas 985 pagantes. Aliás, apenas o Ariquemes e o Moto conseguiram públicos acima de mil pagantes. Ariquemes x Vilhena (1.183), Ariquemes x Genus (1.171), Ariquemes x Espigão (1.840) e Moto x Genus (1.292) foram os maiores públicos do Estadual.

Mesmo com estes números abaixo da média, o Ariquemes foi amplamente superior ao Espigão. Campeão Estadual, o time amargou a penúltima colocação. O Espigão ostentou média de 337 pagantes, superior apenas ao lanterna Rolim de Moura (291). No total, apenas 2.362 pagantes acompanharam um jogo do campeão Rondoniense 2011. O maior público do clube aconteceu na final contra o Ariquemes (707).

Decepção!
Até os números gerais da competição são modestos. Em 36 jogos disputados, o Estadual teve público total de 18.041 pagantes e média de 501. Esta média supera o número do Moto, segundo colocado. O time teve média de 492 pagantes, contra 432 do Vilhena, terceiro colocado.

Amador!
O intuito do blog rbrito era apresentar as médias de todos os Estaduais 2011. Mas muitas Federações não disponibilizam tais informações. Até agora, o blog rbrito não conseguiu os números dos Campeonatos Potiguar, Roraimense, Matogrossense, Paraibano, Amazonense, Tocantinense, Maranhense e Acreano.

O blog rbrito, porém, já apresentou as médias de público do Paulistão, Carioca, Catarinense, Paranaense, Cearense, Gaúcho, Paraense, Sergipano, Alagoano, Brasiliense, Mineiro, Goiano, Baiano, Pernambucano, Capixaba e Rondoniense. Os Estaduais do Amapá, Piauí e Mato Grosso do Sul ainda têm bola rolando.

Ajude a divulgar o trabalho do blog rbrito! Só nós fazemos o levantamento das médias de público dos Estaduais! Opine! Participe pelo blog rbrito ou através do www.twitter.com/rbrito1984

Confira o total e a média final de público de TODOS os clubes no Rondoniense 2011:

1 - ARIQUEMES (TOTAL: 6.894 / MÉDIA: 985)


Ariquemes x Genus (627)
Ariquemes x Moto (549)
Ariquemes x Vilhena (1.183)
Ariquemes x Rolim de Moura (655)
Ariquemes x Espigão (869)
Ariquemes x Genus (1.171)
Ariquemes x Espigão (1.840)

2 - MOTO (TOTAL: 2.460 / MÉDIA: 492)

Moto x Genus (1.292)
Moto x Rolim de Moura (530)
Moto x Espigão (299)
Moto x Ariquemes (212)
Moto x Vilhena (127)

3 - VILHENA (TOTAL: 2.591 / MÉDIA: 432)

Vilhena x Ariquemes (376)
Vilhena x Genus (286)
Vilhena x Moto (363)
Vilhena x Espigão (657)
Vilhena x Rolim de Moura (345)
Vilhena x Espigão (564)

4 - GENUS (TOTAL: 2.279 / MÉDIA: 380)

Genus x Espigão (310)
Genus x Rolim de Moura (141)
Genus x Moto (356)
Genus x Ariquemes (407)
Genus x Vilhena (376)
Genus x Ariquemes (689)

5 - ESPIGÃO (TOTAL: 2.362 / MÉDIA: 337)

Espigão x Rolim de Moura (247)
Espigão x Vilhena (489)
Espigão x Ariquemes (144)
Espigão x Genus (210)
Espigão x Moto (154)
Espigão x Vilhena (411)
Espigão x Ariquemes (707)

6 - ROLIM DE MOURA (TOTAL: 1.455 / MÉDIA: 291)

Rolim de Moura x Vilhena (618)
Rolim de Moura x Ariquemes (243)
Rolim de Moura x Espigão (341)
Rolim de Moura x Moto (125)
Rolim de Moura x Genus (128)



 Escrito por rbrito às 00h03 [] [envie esta mensagem] []






De 0 a 10!

O blog rbrito estava pronto para exaltar os bons públicos apresentados pelos clubes na última rodada da Segundona do Campeonato Paulista. Mas parece que as cores do torcedor-internauta Marcos Neves no ranking ficam mais cintilantes quando o público é próximo de zero.

Mais no blog rbrito:
Dois clubes saíram do zero e pontuaram no ranking de público pagante!


O São Judas Tadeu passou a lanterna do ranking para o Joseense algumas rodadas atrás. Mesmo assim, o time segue a dar vexame nas arquibancadas. Na derrota, por 2 a 1, para o Guaçuano, o São Judas conseguiu o apoio de míseros dez pagantes. Apenas dez pessoas pagaram ingresso e mantiveram o clube na penúltima colocação, com média de 41 pagantes. O Joseense tem média de 35.

Mas chega de falar de estádios vazios. Neste post, o blog rbrito não vai dar destaque a públicos como o do Primavera (72), ou Atibaia e Guarulhos (80) ou União Mogi (83) ou ECUS (96). A rodada foi boa e o blog rbrito destacará os estádios cheios.

Apoio!

O Américo Brasiliense é lanterna do Grupo 2 e perdeu para o Barretos, por 2 a 1. Mesmo assim, o time foi o responsável pelo maior público pagante da última rodada (1.200). O Américo se manteve na terceira colocação, com média de 1.021, contra 1.164 do Guaçuano e 1.308 da líder Votuporanguense.

A Pantera conseguiu o segundo melhor público da rodada (942). Mas outros clubes também fizeram bonito para os padrões da Segundona Paulista. O Cotia, por exemplo, levou 600 pagantes e ganhou três posições. Agora, o time aparece no 16º lugar, com média de 290.

O Fernandópolis conseguiu público de 505 pagantes, contra 450 do EC São Bernardo. Na quinta colocação, com média de 507 pagantes, o Jaboticabal teve público de 301. Enquanto isso, o Capivariano foi visto por 391 pagantes.

A média geral da Segundona Paulista é ainda modesta: 289 pagantes. Em 182 jogos com a presença de público, a competição tem público total de 52.577 pagantes.

Cadê?

O duelo entre São Judas e CAL Bariri foi adiado. São Vicente, Atibaia e Brasilis disputaram três partidas com os portões fechados. Bandeirante, Tanabi e Guarujá duas, enquanto, Palmeirinha e CAL Bariri jogaram sem torcida apenas uma vez.

O jogo entre Palestra e Mauaense não teve o público divulgado. Já o borderô do duelo entre Manthiqueira e Guarulhos foi retirado do site da FPF. Antes, a entidade havia divulgado que o público desta partida tinha sido de 96 pagantes.

Cores!

Os clubes do Grupo 1 estão representados pela cor amarela. A cor verde destaca o Grupo 2, enquanto que o Grupo 3 está em azul. Já o laranja representa o Grupo 4 e o rosa (salmão) o Grupo 5. Por fim, o Grupo 6 está em roxo.

Ajude a divulgar a média de público e o blog rbrito! Participe! Opine pelo próprio blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984)



 Escrito por rbrito às 00h26 [] [envie esta mensagem] []






Talentos da Terra

Com exceção do Santos, os clubes brasileiros carecem de revelações. Até o interior de São Paulo, berço de muitos craques, parou de “fabricar” bons jogadores. Guarani e Ponte Preta, times rivais do futebol de Campinas, foram responsáveis por diversas revelações nas décadas de 70 e 80, mas a seca também atingiu a dupla do dérbi. Aliás, o caminho até o sucesso é bastante complicado. Diariamente, estas jovens promessas encaram a falta de recursos próprios, a ambição dos clubes, pais e agentes para realizarem o sonho de ser jogador de futebol.

A confiança e o incentivo da família são os primeiros passos que esta criança sonhadora consegue ter. O passo seguinte é buscar espaço nas famosas ‘peneiras’ – testes, onde os garotos têm o mínimo de tempo possível para mostrar tudo o que sabem ao treinador. Nestas ‘peneiras’ a disputa é acirrada e apenas uma pequena parcela consegue dar início ao seu objetivo pessoal.

“A Ponte realiza testes de seleção quando tem uma relação de muitos possíveis jogadores para o time. Esses "candidatos" realizam um jogo treino acompanhados pela Ponte e os que se destacam são convidados a integrarem as categorias de base por uma semana, na qual são mais uma vez observados", disse ao blog rbrito o coordenador técnico das categorias de base da Ponte Preta, Fernando Kenor.

Mas o sonho ainda não irá se realizar por completo se o garoto passar na ‘peneira’. De acordo com documentos do Departamento de Registro e Transferência da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), os clubes brasileiros pagam até dois salários mínimos para a maioria (82,17%) dos atletas e apenas 3,75% recebem mais de R$ 3.600.

"O problema é que tivemos que reiniciar um trabalho na base, começar praticamente do zero. Com o que existe hoje no futebol, em relação a Lei Pelé e concorrência, leva tempo para conseguir formar atletas jovens para serem aproveitados na equipe principal", explicou, em entrevista coletiva no começo do ano, o presidente do Guarani, Leonel Martins de Oliveira.

Para mudar estas estatísticas, o Guarani inovou na forma de revelar jovens talentos. Há mais de dez anos, o clube campineiro fundou o Projeto Bugrinho, uma escolinha de futebol cujos principais objetivos são formar novos atletas para o futebol mundial, propiciar às crianças o preenchimento em suas horas vagas e interagir na formação do homem. Outro programa do time alviverde é o Projeto Bugrinho Comunidades, um trabalho social com cerca de 150 crianças carentes que fazem aula de futebol gratuitamente e recebem um lanche no fim de cada aula.

Recentemente, a Ponte Preta iniciou a reformulação em suas categorias de base. O intuito, a princípio, é formar atletas, ao invés de disputar competições. "A Ponte sempre teve tradição em revelar atletas de base e o principal objetivo de nosso trabalho, iniciado há cerca de três meses, é retomar esta tradição. No momento estamos reestruturando as categorias Sub-15 e Sub-17, com critérios técnicos bem definidos e medidos por meio de ferramentas específicas, para que voltemos a formar atletas para o time profissional da Ponte Preta", contou Fernando Kenor, formado em Educação Física pela Universidade Federal do Paraná e pós-graduado em treinamento esportivo em futebol.

“Não estamos formando times para disputar e vencer competições. É claro que participar delas faz parte da formação e os bons resultados virão como consequência do trabalho, mas o objetivo é formar bons atletas e não meramente ganhar títulos", completou o dirigente.

Revelações
Guarani e Ponte Preta têm fama em revelar bons jogadores. A cidade de Campinas já foi intitulada “Capital do Futebol” nas décadas de 70 e 80. O Guarani, curiosamente, descobriu mais atacantes, enquanto que a Ponte revelou mais defensores. As revelações do Guarani deram mais resultados e títulos para o clube, apesar de permanecerem menos tempo no Brinco de Ouro se comprados aos jovens talentos da Ponte Preta.

Mas a Macaca soube utilizar a experiência do craque mais vezes. A Ponte Preta, inclusive, aproveitou ex-ídolos nas categorias de base. Um exemplo disso é Dicá, que já foi diretor e superintendente de futebol do clube. O Guarani também se beneficiou dos ex-ídolos, em menor escala é verdade. Neto, que foi dirigente e chegou a treinar o Bugre em uma oportunidade, é um exemplo.

Nomes de peso

A Ponte Preta revelou nomes como Oscar, Dicá, Carlos, que foi goleiro da Seleção em Copa do Mundo, Chicão (atacante), Luís Fabiano (atacante), Rodrigo (zagueiro campeão da Taça Libertadores da América com o São Paulo em 2005), Fábio Luciano (zagueiro campeão Mundial com o Corinthians em 2000), Polozzi (zagueiro), entre muitos outros.

O rival Guarani não fica atrás e já revelou ao Brasil, Careca, Zenon, Luizão (pentacampeão Mundial com a Seleção Brasileira), Djalminha (meia), Evair (atacante), Neto (campeão Brasileiro pelo Corinthians em 1990 e hoje comentarista da TV Bandeirantes), Edmar (atacante), João Paulo (atacante), entre muitos outros.

Lei Pelé
A Lei Pelé (Lei nº 9.615/98) foi criada para ajudar os jogadores. Antes, eles se diziam “reféns” dos clubes. Mas a Lei, que levou o nome do maior jogador de todos os tempos, abriu uma enorme brecha para os empresários. Com isso, os clubes passaram a reclamar da Lei Pelé. Com tantos protestos, a presidente Dilma Roussef sancionou, no último dia 16 de março, a Lei nº 12.395/11, proposta pelo deputado José Rocha (Partido Republicano-BA).

"Ele (atleta) passa a ter um vínculo com o clube registrado na Federação de Futebol. Ele não pode se transferir para o outro clube sem que o clube que o está formando, tenha realmente benefícios nesta formação. (Caso contrário, o clube interessado terá que pagar) Até 200 vezes no valor gasto na sua formação", explicou o deputado durante o evento, em março.

Nesta nova Lei, os clubes formadores passam a receber até 5% do valor das futuras negociações, mesmo que a transferência seja entre clubes do Brasil. Antes, esta decisão só valia para negociações com clubes do exterior. Agora, os jogadores de futebol também estão proibidos de serem agenciados antes que completem 18 anos de idade.  Já o primeiro contrato profissional do atleta poderá se estender por cinco anos, enquanto que o segundo terá um limite de três.

Os clubes também terão deveres. O clube formador terá que participar de pelo menos duas competições das categorias de base. Isso evitará a formação de clubes de fachada que estão de olho apenas em 5% das negociações. Todas estas medidas são para valorizar e dar continuidade as safras de craques que só o país do futebol consegue apresentar todos os anos e cada vez melhor.

Qual último jogador revelado pelo seu clube que deixou saudade, caro torcedor-internauta? Opine! Participe pelo blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984)



 Escrito por rbrito às 12h40 [] [envie esta mensagem] []






Entre as massas!

Enquanto a Série C do Campeonato Brasileiro não coloca a bola pra rolar, o blog rbrito, sempre com a colaboração do torcedor-internauta Marcos Neves, apresenta as médias de público pagante das Séries A e B. A novidade nesta semana foi a subida do Sport, líder no ranking da Segundona.

Mais no blog rbrito:
Novidade no ranking e expectativa por duelo de massas no Brasileirão!


Ainda invicto sob o comando do novo técnico Mazola – efetivado na última segunda-feira -, o Sport saiu do oitavo lugar no ranking geral para a quinta colocação, com média de 15.432 pagantes. O Leão da Ilha, que ainda patina dentro das quatro linhas, ultrapassou Atlético-PR, Atlético-MG e Grêmio.

O time pernambucano só está atrás de Bahia, Corinthians, Flamengo e Coritiba. Aliás, na semana passada, como o blog rbrito tinha chamado a atenção, aconteceu o embate de massas entre Bahia e Corinthians. O Timão venceu, em Salvador, sob a presença de 32.157 pagantes.

O apoio maciço fez o Tricolor disparar ainda mais na ponta. Agora, o Bahia tem média de 28.068 pagantes, contra “apenas” 21.949 do Corinthians, segundo colocado. Flamengo (17.089) e Coritiba (15.932) completam o Top 4.

Tá valendo!
A subida do América-MG foi menos empolgante, porém, tirou o time mineiro da lanterna no ranking da Série A. Com média de 4.219 pagantes, o América-MG deixou a 32ª colocação, para pintar no 30º lugar. A última colocação no ranking da elite ficou com o Avaí e sua média modesta de 3.936.

No mais, sem muitas mudanças no ranking geral. O São Caetano ainda amarga a rabeira com média de apenas 440. Duque de Caxias, Bragantino, Americana, Icasa, Portuguesa, Boa Esporte e Guarani completam as outras colocações ingratas.

Parabéns!

O blog rbrito, por diversas vezes, já expressou sua opinião a respeito dos clubes que mudam de sede e de nome. Mas nem por isso, o blog rbrito deixa de destacar o bom público apresentado pelo Barueri na nona rodada da Série B. O time da Grande São Paulo contou com a presença de 13.317 pagantes, o maior público da rodada.

Com média de 13.150 pagantes, o Barueri segue na vice-liderança no ranking da Série B e ocupa a 11ª colocação no geral, a frente de Palmeiras e São Paulo e outros tantos clubes da Série A, como Santos (campeão da Libertadores) e Fluminense (atual campeão do Brasileirão).

Total!
Até agora, as Séries A e B tiveram 158 jogos com a presença de público. O total de pagantes é de 1.243.494, enquanto a média segue modesta em 7.870. A média da Série A, que já teve 68 jogos, é de 11.550 pagantes. O público total é de 785.416. Por fim, em 90 jogos, a Série B tem média de 5.090 pagantes e total de 458.078.

Só pagantes!

Os clubes do Rio de Janeiro, Pernambuco e Alagoas colocam os não pagantes nos borderôs e acabam levando vantagem no ranking das médias. O blog rbrito recusou esta artimanha e divulga apenas o público pagante.

Enquanto isso, o Ceará tem uma cota chamada de “cortesia”, pasmem, para os militares e autoridades. Estes ingressos, como NÃO foram pagos, ficaram de fora das estatísticas do blog rbrito. O mesmo acontece com o América-MG e sua distribuição de entradas para alguns setores.

Já nos borderôs da Ponte Preta há um item especificado como "VENDA PROIBIDA". São ingressos distribuídos pela diretoria a amigos, autoridades, clientes, "bicões". Estas entradas estão na soma de ingressos vendidos na CBF, mas não no ranking do blog rbrito.

Legenda!

Neste ranking, os clubes da Série A estão representados pela cor amarela, enquanto que a cor cinza sinaliza os clubes da Série B. O clássico entre Santos e Corinthians, pela quinta rodada, será realizado apenas no dia 10 de agosto.

Está satisfeito com a média de público do seu clube? Participe! Opine pelo blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984)




 Escrito por rbrito às 18h47 [] [envie esta mensagem] []






Copa de mentira!

A Copa América deveria ser disputada apenas por clubes da América do Sul, mas sempre ganha a presença de alguns intrusos. Na atual temporada, na Argentina, México e Costa Rica são os convidados. Sem falar que o máximo que esta competição se assemelha ao Mundial é a palavra Copa. Toda esta chatice poderá ser acompanhada no mês de julho.

Desde a última sexta-feira, 12 Seleções lutam pelo título da Copa América. Esta é a primeira competição oficial de Mano Menezes a frente do Brasil. Mas a Copa América começou em marcha lenta, como mostra o levantamento feito pelo blog rbrito, nesta terça-feira.

Desde que a competição ganhou a presença de 12 clubes divididos em três grupos de quatro (1993), nunca uma primeira rodada teve tão poucos gols. Os jogos iniciais de 2011 foram de dar sono.

Para começar, os favoritos Argentina, Brasil e Uruguai apenas empataram com Seleções inexpressivas - Bolívia, Venezuela e Peru, respectivamente. Em seis jogos foram anotados apenas oito gols. Média de apenas 1,33 por partida. Aliás, esta rodada não teve goleadas.

Bola na rede!
Situação bem diferente da Copa América 2007. Naquela oportunidade, os seis jogos iniciais tiveram, nada menos, que 24 tentos. Média inacreditável de quatro por jogo. Para se ter uma ideia, o Paraguai goleou a Colômbia, por 5 a 0, enquanto a Argentina fez 4 a 1 nos EUA.

A maior goleada, porém, neste período que o blog rbrito pesquisou, aconteceu em 1999. Naquele ano, o brasileiro foi feliz e gritou sete gols. A Seleção meteu 7 a 0 na Venezuela, mesma adversária que segurou o time de Mano Menezes, em 2011. Em 1999, a rodada inaugural contou com 18 tentos.

Estreias!
De todos estes anos, a Seleção Brasileira estreou sem vitória em outras três oportunidades. Em 1993, empatou sem gols com o Chile e viu a rival Argentina faturar a taça. Em 2001, o Brasil perdeu para o México e a Colômbia acabou com o título. Já na última edição da Copa América (2007), o México foi novamente algoz na primeira rodada (2 a 0), mas desta vez a Seleção Brasileira levantou o trofeu.

Trago estas perguntas do twitter (@rbrito1984): você, torcedor-internauta, prefere acompanhar um jogo do seu time ou da Seleção Brasileira? E você assistiria o Brasil na final da Copa do Mundo ou seu time do coração na decisão do Mundial de Clubes? Opine! Participe!

Confira a primeira rodada da Copa América desde 1993:

1993 (13 GOLS)

Equador 6 x 1 Venezuela
Uruguai 1 x 0 EUA
Paraguai 1 x 0 Peru
Brasil 0 x 0 Chile
Colômbia 2 x 1 México
Argentino 1 x 0 Bolívia

1995 (17 GOLS)

Uruguai 4 x 1 Venezuela
Paraguai 2 x 1 México
Colômbia 1 x 1 Peru
Brasil 1 x 0 Equador
EUA 2 x 1 Chile
Argentina 2 x 1 Bolívia

1997 (11 GOLS)

Equador 0 x 0 Argentina
Paraguai 1 x 0 Chile
Bolívia 1 x 0 Venezuela
Peru 1 x 0 Uruguai
Brasil 5 x 0 Costa Rica
Colômbia 1 x 2 México

1999 (18 GOLS)
Paraguai 0 x 0 Bolívia
Peru 3 x 2 Japão
Brasil 7 x 0 Venezuela
Chile 0 x 1 México
Argentina 3 x 1 Equador
Uruguai 0 x 1 Colômbia

2001 (16 GOLS)
Equador 1 x 4 Chile
Colômbia 2 x 0 Venezuela
Peru 3 x 3 Paraguai
Brasil 0 x 1 México
Bolívia 0 x 1 Uruguai
Honduras 0 x 1 Costa Rica

2004 (18 GOLS)
Venezuela 0 x 1 Colômbia
Peru 2 x 2 Bolívia
Argentina 6 x 1 Equador
México 2 x 2 Uruguai
Brasil 1 x 0 Chile
Costa Rica 0 x 1 Paraguai

2007 (24 GOLS)

Uruguai 0 x 3 Peru
Venezuela 2 x 2 Bolívia
Equador 2 x 3 Chile
Brasil 0 x 2 México
Paraguai 5 x 0 Colômbia
Argentina 4 x 1 EUA

2011 (8 GOLS)

Argentina 1 x 1 Bolívia
Colômbia 1 x 0 Costa Rica
Brasil 0 x 0 Venezuela
Paraguai 0 x 0 Equador
Uruguai 1 x 1 Peru
Chile 2 x 1 México



 Escrito por rbrito às 00h18 [] [envie esta mensagem] []






No topo do pódio!

Título! É isso que move dirigentes, clubes, jogadores, técnicos e torcedores no futebol. Ser campeão é sempre bom. O torcedor deseja ver seu capitão no lugar mais alto do pódio. Com a colaboração do torcedor-internauta Ricardo Almeida, o blog rbrito apresenta, nesta segunda-feira, a última vez que os clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro foram campeões da primeira divisão.

As torcidas de Santos e Vasco são as que mais estão sossegadas. Os paulistas faturaram a Libertadores e têm todo o resto do ano para se prepararem para o Mundial de Clubes em dezembro. Os vascaínos também não fizeram feio e ficaram com a taça da Copa do Brasil.

Enquanto isso, muitos clubes das Séries A e B diminuíram a tensão com os títulos estaduais. Campeão Brasileiro em 1988, o Bahia, por sua vez, vive uma seca. Desde a temporada de 2002, o Tricolor não fatura um campeonato de primeira divisão. Naquela oportunidade, o Bahia foi campeão da Copa Nordeste.

O maior jejum da Série A, porém, é do América-MG. O Coelho não pula no primeiro lugar do pódio desde o Campeonato Mineiro de 2001. É verdade que o América faturou a Série C de 2009, mas, neste levantamento, o blog rbrito só levou em conta os títulos na primeira divisão.

A seca do Trio de Ferro não é tão longa, mas já incomoda. Palmeiras e São Paulo não ganham nada desde 2008. O Verdão foi campeão Paulista, enquanto o Tricolor ficou com o Tri Brasileiro. Já o Corinthians fez a festa da Fiel pela última vez, em 2009, na Copa do Brasil.

Título é título!

Na Série B há alguns casos para serem explicados. Mas independentemente das elucidações, temos que respeitar as conquistas. Título é sempre importante para a história e para a felicidade dos torcedores. O Duque de Caxias, por exemplo, festejou a conquista invicta da BTV Cup, em 2009.

A nona edição no torneio foi realizada com a participação de quatro times vietnamitas, um time ugandês, um chinês, um eslovaco e o Duque. Os oito clubes foram divididos em dois grupos de quatro e os dois melhores avançaram às semifinais e depois às finais.

Enquanto isso, a Associação Recreativa Desportiva e Cultural (Icasa) não tem nenhum título da primeira divisão. Mas este time que disputa a atual Série B, surgiu, em 1996, após o Icasa Esporte Clube (fundado em 1963) ser substituído pelo Juazeiro Empreendimentos Esportivos Ltda e este dar lugar ao atual.

É uma confusão, mas os dirigentes consideram a história geral, inclusive, o título Estadual de 1992. Naquela oportunidade, a taça foi dividida entre Fortaleza, Ceará, Tiradentes e Icasa.

Ah, os títulos de Americana e Boa Esporte também foram conquistados com outros nomes. O time paulista, ainda chamado de Guaratinguetá, ficou com o Título do Interior, em 2007. Enquanto isso, o ex-Ituiutaba faturou a Taça Minas Gerais, em 2009.

Que saudade!
Caro, torcedor-internauta, antes de reclamar da falta de títulos do seu clube, veja três situações na Série B. A Portuguesa, que luta pelo acesso, não fatura uma taça de primeira divisão desde 1973. Naquele ano, a Lusa, de Basílio, Enéas e cia., ainda dividiu o troféu do Paulistão com o Santos, de Pelé e cia., por incompetência do árbitro Armando Marques que não soube contar as penalidades máximas.

O título do Guarani é mais imponente, mas a seca causa calafrios nos bugrinos. Após faturar o título do Brasileirão de 1978, o Bugre amargou decepções. O mesmo acontece com o Bragantino, campeão paulista de 1990. O técnico do Braga era Vanderlei Luxemburgo, hoje no Flamengo.

Quais clubes ficarão com as taças das Séries A e B 2011? Opine! Participe pelo blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984)

Confira a última vez que os clubes das Séries A e B foram campeões:

SÉRIE A


AMÉRICA-MG
Campeonato Mineiro 2001

ATLÉTICO-GO
Campeonato Goiano 2011

ATLÉTICO-MG

Campeonato Mineiro 2010

ATLÉTICO-PR

Campeonato Paranaense 2009

AVAÍ
Campeonato Catarinense 2010

BAHIA
Copa do Nordeste 2002

BOTAFOGO
Campeonato Carioca 2010

CEARÁ
Campeonato Cearense 2011

CORINTHIANS
Copa do Brasil 2009

CORITIBA
Campeonato Paranaense 2011

CRUZEIRO
Campeonato Mineiro 2011

FIGUEIRENSE
Campeonato Catarinense 2008

FLAMENGO
Campeonato Carioca 2011

FLUMINENSE
Campeonato Brasileiro 2010

GRÊMIO
Campeonato Gaúcho 2010

INTERNACIONAL
Campeonato Gaúcho 2011

PALMEIRAS
Campeonato Paulista 2008

SANTOS
Libertadores da América 2011

SÃO PAULO
Campeonato Brasileiro 2008

VASCO
Copa do Brasil 2011

SÉRIE B

ABC

Campeonato Potiguar 2011

AMERICANA
Título do Interior 2007

ASA
Campeonato Alagoano 2011

BOA ESPORTE

Taça Minas Gerais 2009

BRAGANTINO
Campeonato Paulista 1990

CRICIÚMA
Campeonato Catarinense 2005

DUQUE DE CAXIAS

BTV Cup 2009

GOIÁS
Campeonato Goiano 2009

GRÊMIO BARUERI
Título do Interior 2008

GUARANI
Campeonato Brasileiro 1978

ICASA
Campeonato Cearense 1992

NÁUTICO
Campeonato Pernambucano 2004

PARANÁ
Campeonato Paranaense 2006

PONTE PRETA
Título do Interior 2009

PORTUGUESA
Campeonato Paulista 1973

SALGUEIRO
Título do Interior 2010

SÃO CAETANO

Campeonato Paulista 2004

SPORT
Campeonato Pernambucano 2010

VILA NOVA
Campeonato Goiano 2005

VITÓRIA
Copa do Nordeste 2010



 Escrito por rbrito às 00h26 [] [envie esta mensagem] []






Mau Humor FC 73!

Vocês, torcedores-internautas, que acompanham a seção Mau Humor FC, do blog rbrito, todos os domingos, estão cansados do jornalismo esportivo? Da falta de perguntas inteligentes? Da falta de matérias investigativas? Do excesso de “merchan” e polêmicas desnecessárias nos programas esportivos? Dos comentários inúteis daqueles que não têm diploma? Da falta de informação da maioria dos clubes? Da mesmice todos os dias? Das gracinhas fora de hora? Das mesmas pautas?

Mais no blog rbrito:
As dívidas de Ronaldinho Gaúcho e Flamengo, além do "monstro" santista!


Bom... eu estou e muito! Pouco se faz para mudar o jornalismo esportivo. Não pense que colocar um apresentador engraçado aqui, ou uma apresentadora bonita ali, seja mudar a cara do jornalismo esportivo. Isso é muito pouco ou quase nada do que deveria ser feito. Mas reclamar de quem? Pra quem?

A política, talvez, seja o único lugar em que se tenta evitar nepotismo. Não digo pelo olhar dos políticos e, sim, pela imprensa e sociedade. Qual razão de não termos caras novas no jornalismo esportivo? São muitas, mas uma chama a atenção. As idéias de antigamente, chegam através de pessoas mais novas, mas com o mesmo sobrenome.

É difícil entrar no jornalismo e, principalmente, na área esportiva. Dois dos grandes nomes do esporte vivem brigando através da imprensa e dos tribunais. Mas ambos são idênticos. Os dois têm filhos e levam seus rebentos para todos os veículos em que trabalham. Há outro apresentador do rádio e da TV que faz o mesmo.

Sem falar em um diretor de uma emissora grande que colocou seu pimpolho no principal programa esportivo da emissora. Há tantos exemplos. A gente, inclusive, pode sair do nepotismo e pensar na quantidade de “jornalistas” sem diploma que fala barbaridades atrás de barbaridades. Tudo em nome do ibope e sem se preocupar com o português.

Você pode ter a visão de um ex-atleta, mas é necessário que também tenha um comentarista formado. Sem falar que ex-jogadores, hoje comentaristas, não podem fazer entrevistas. Mas não é isso que vemos pelos programas esportivos.

Com tantos erros, como mudar o panorama do jornalismo esportivo? Como responder todas aquelas perguntas do começo do post? Sou jornalista e estou cansado de tudo isso. Não há espaço... não há oportunidade! Não há com quem “lutar” por uma chance! São todas cartas marcadas, infelizmente!

Deixe o mau humor falar por você neste domingo! Critique! Proteste! Opine aqui no blog rbrito ou através do twitter (@rbrito1984)



 Escrito por rbrito às 00h48 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Esportes, Livros, música
Outro -





 
 




TWITTER rbrito
Giro da Bola
Meu Time de Botão
É Pênalti
Futebol Interiorano
Vozeria
Only Esportes
TopBlog - VOTE AQUI
 
 

Dê uma nota para meu blog